CAPELA DO ALTO

CAPELA DO ALTO



CAPELA DO ALTO



CAPELA DO ALTO



CAPELA DO ALTO



CAPELA DO ALTO - Roseira




Memorial

CAPELA DO ALTO
CAPELA DO ALTO
Roseira

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPELA DO ALTO

PRAÇA SÃO FRANCISCO - CENTRO
CEP: 18.195-000    
FONE: 15 - 3267.8800
EMAIL: PREFEITURA@CAPELADOALTO.SP.GOV.BR
SITE: WWW.CAPELADOALTO.SP.GOV.BR
 

HISTÓRICO
 

COMO TUDO COMEÇOU...
O início da história de Capela do Alto é muito semelhante ao de outros lugares do Brasil. Essa história tem na figura do índio, o seu primeiro morador, o começo de uma grande fusão cultural. Com a colonização dos portugueses e a ação dos jesuítas, esses mesmos índios se tornaram domesticados e passaram a fazer parte do universo do homem branco.
Os jesuítas, além de catequizarem os índios, exploraram jazidas de ouro e realizaram outras atividades vantajosas.
Exploraram ouro às margens do Rio Sarapuí e depois decidiram adentrar a mata, chegando à Serra do Ipanema.  
Os jesuítas adentraram a floresta pelo Rio Sarapuí e foram deixando em pontos estratégicos, pequenas casinhas pelo caminho, onde algumas famílias se estabeleceram. Nesse trajeto, criaram portos improvisados para facilitar as incursões portuguesas. Deixam famílias (bugres), que ajudariam nos percursos longos, com comida e abrigo. Alguns pesquisadores partem desse ponto para delimitar a origem de algumas famílias capelenses, como: os Silva, os Moreira, os Luís, dentre outras. À época, algumas dessas famílias foram grandes possuidoras de ouro e prata.
Rica em metais preciosos e em histórias que são contadas em longas conversas pelos mais velhos, a região conserva ainda parte da cultura original, que remonta ao tempo em que os jesuítas transportavam metais no lombo de animais. Há quem diga que ainda há ouro a ser encontrado nos arredores, em direção a Itapetininga, Sarapuí, Araçoiaba da Serra e Capela do Alto
A presença do jesuítas na região de Capela do Alto é comprovada pelas cruzes deixadas ao longo do caminho por onde passaram. Os moradores mais velhos contam que a cruz mais antiga dessa época – que se encontra hoje no Colégio Santa Escolástica, em Araçoiaba da Serra – é que deu origem aos padroeiros São Francisco de Assis e Nossa Senhora das Dores.
A história de Capela do Alto iniciou-se aliada aos costumes cristãos de seu povo, concepção que se firma com o surgimento do monge Giovanni de Augustini, que teve como nome brasileiro, o de João Maria Augustini.

A ORIGEM
A formação do hoje município de Capela do Alto, de origem relativamente recente, foi impulsionada pela chegada de imigrantes alemães, principalmente após a Segunda Guerra Mundial, mas contou também com famílias que já se encontravam fixadas na região, pois o lugarejo era local de passagem de tropeiros procedentes do sul do País.
Porém, não temos dados exatos dos fundadores de Capela do Alto, sendo, portanto, lendária sua história. Segundo consta, Capela do Alto foi fundada pelas famílias Menck, Wincler, Plens, Popst, e outros que vieram da Europa para trabalhar na exploração e fundição de ferro na fábrica do Morro do Ipanema. Portanto, há muitas controvérsias, contos e lendas sobre a verdadeira história de fundação de Capela do Alto.
Contudo, sabe-se de concreto que o início da cidade está intimamente ligada a atividade tropeira e também aos trabalhos de evangelização dos Padres Jesuítas. Oficialmente s conhece que as terras onde surgiria Capela do Alto, eram utilizadas como pouso dos tropeiros que vinham do sul do País, para comercializar seus muares, nas famosas feiras de Sorocaba.

FUNDAÇÃO DO POVOADO
Consta-se que um monge vindo das terras do Ipanema, e que ergueu as cruzes que lá existia, possuía poderes extraordinários, tanto é que o local onde este morava, a pedra sob a qual dormia, foi visitado por inúmeros capelenses. Conta-se também que os alemães vieram explorar ferro, ouro e prata nas fraldas do Ipanema. Entretanto, constatada a quase inexistência destes metais, embrenharam-se pelo sertão, estabelecendo-se onde hoje é Capela do Alto, que já contava com um pouso de tropeiros.
De lenda em lenda, de história em história, aos poucos foi se formando a cidadezinha, beneficiada pela estrada São Paulo-Paraná, que ligava Sorocaba à Itapetininga, que se tornou a rua principal da cidade.

ORIGEM DO NOME
Pouco se sabe sobre a origem do nome deste povoado, estabelecido desde meados do século XIX na beira do rio Sarapuí, em terras então pertencentes a Araçoiaba da Serra; o que se tem é uma rua, de nome “DO CRUZEIRO”, antiga Santa Cruz, em que se realizavam, até 1960, as representações da Via-Sacra durante a Quaresma, e justamente entre os 14 cruzeiros ali erguidos.
Consta que os três primeiros a serem levantados foram motivados por um tríplice homicídio entre tropeiros, que brigaram entre si pela posse de um burro. O incidente aconteceu em 1870 e, logo em seguida, consta-se que um monge, vindo de Ipanema, passou pelo lugarejo, levantando os outros 11, antes de, sem avisar a ninguém, voltar à sua peregrinação errante.
Justificando o nome da cidade, sabe-se que os habitantes das margens do Rio Sarapuí, usavam a expressão “vamos à capela do alto”, quando desejavam ir até a “capelinha” erguida na parte mais alta do povoado. Esta expressão generalizou-se para finalmente dar a identidade ao povoado que surgia, de Capela do Alto.
Segundo se sabe, houve uma eleição para a escolha desse nome, que teria também as seguinte opções: “Cruz do Monge”, “Capelândia”, “Guarapiranga”, “Duartinópolis”, “Itarassú”, “Ipanemápolis”, “Minerápolis”, “Menklândia”, e “Capanema”.
Após a realização desta eleição, sabe-se que o nome escolhido de CAPELA DO ALTO, venceu por uma diferença de cinco votos entre os votantes, que não eram em grande quantidade naquela época.
 Este, o pequeno templo que determinou o nome do lugarejo e, hoje município, e, ao que parece, desde o término da sua construção, que se supõe ter acontecido por volta de 1860.

O MONGE GIOVANNI DE AUGUSTINI
O monge Giovanni de Augustini, o João Maria Augustini, nasceu na cidade de Turim, na Itália, por volta de 1800. Chegou ao Brasil para realizar trabalhos religiosos, atendendo as pessoas infectadas pela malária. Por onde passava, fixava sua marca: a Cruz de Cristo.
Desembarcou em Belém do Pará, por volta de 1840, de onde partiu como passageiro da Barca Imperatriz – que fazia o trajeto de Belém do Pará ao Rio de Janeiro ou a Santos. Do Rio de Janeiro seguiu rumo a Sorocaba, provavelmente no lombo de animais, quando se encantou com a serra de Ipanema, fazendo-a sua morada e fixando-se no Morro de Araçoiaba, em 24 de dezembro de 1844.
Encantou as pessoas da região com seu canto e louvores à Nossa Senhora e ao Menino Jesus. Conta-se que até os pássaros o acompanhavam em suas orações, quando ele entoava seus mais lindos cantos com sua voz de tenor sem par.
Em 1849, construiu o Santo Cruzeiro em Capela do Alto, sendo essa iniciativa o marco crucial da origem da cidade.
Em 1850, benzeu e fez o primeiro enterro no cemitério do Itarassu, hoje, Capela do Alto.
Segundo manuscritos do professor João Lourenço Rodrigues, o monge desapareceu misteriosamente no final do ano de 1851.
O cônego Castanho, de Sorocaba, um famoso historiador e escritor da época, ofereceu uma versão diferente descrevendo que o monge, em 1851, seguiu rumo à Lapa, no Paraná, onde permaneceu por longos tempos no Rio Negro, cuidando das pessoas que sofriam com a epidemia de malária, retornando para Sorocaba no ano de 1870, seu refúgio.
Segundo o cônego Castanho, o monge faleceu em Sorocaba, mas não há dados sobre a sua morte. Ele pertencia a Ordem dos Franciscanos, mas se intitulava eremita.
Suas vestes preferidas eram as mesmas de São Francisco de Assis: sandálias nos pés e batinas marrons que, por determinação e ordem do clero de Sorocaba, eram substituídas pela batina preta. Embora discordando, cumpria o que lhe ordenavam, mas não deixava de utilizar o cordão dourado. Os mesmos modelos das vestes foram feitas para o santo padroeiro da cidade.
O monge foi dono de muitas premonições, dentre elas que o céu seria cortado por pássaros de prata. Tempos depois, quando o primeiro avião voou no céu da cidade, a população se escondeu com medo do fim do mundo.
Orgulhosamente, os habitantes de Capela do Alto o consideram fundador fundador nato da cidade.

CRIAÇÃO DO DISTRITO
Em 30 de dezembro de 1950, através do Decreto Lei Estadual nº 2456, o povoado é elevado à categoria de Distrito Policial, com a denominação de Capela do Alto, e subordinado ao município de Araçoiaba da Serra.
Em 1954, o Distrito Policial foi elevado à categoria de Distrito de Paz, sendo o seu primeiro titular o senhor Heleno Lopes Plens, que viria mais tarde a ser o primeiro prefeito municipal.
Outro acontecimento de bastante significativa na história capelense é o dia 20 de junho de 1954, quando se inaugurava, na gestão do prefeito de Araçoiaba da Serra, Francisco Pássaro, a energia elétrica no então Distrito de Capela do Alto.

CRIAÇÃO E EMANCIPAÇÃO DO MUNICÍPIO
Em 31 de dezembro de 1963, Capela do Alto foi instituída Município através do Decreto Lei Estadual nº 8050, com redação final dada pela Lei Estadual nº 8092, de 28 de fevereiro de 1964, quando o Distrito é elevado à categoria de Município, com a denominação de Capela do Alto, desmembrado do município de Araçoiaba da Serra, constituído de dois distritos: Capela do Alto e Porto.
Sua instalação ocorreu em 26 de março de 1965, em sessão solene presidida pelo MM. Juiz Eleitoral da Comarca de Sorocaba.

ATIVIDADES CULTURAIS

CENTRO CULTURAL
O Centro Cultural Municipal de Capela do Alto, está situado num importante ponto na região central da cidade, mais especificamente, na via de maior circulação e visibilidade, ou seja, a Rua Coronel Guilherme Wincler – trecho urbano da antiga Estrada São Paulo/Paraná.
No local são realizados eventos culturais, tais como, exposições, cursos, oficinas culturais, tais como, violão, cinema, além de uma exposição permanente do Memorial de Capela do Alto, que reúne um acervo fotográfico, que narra a história do município.
Sua biblioteca reúne um acervo com mais de três mil títulos, onde estudantes podem realizar suas pesquisas e estudos. O Centro Cultural também mantem arquivados o acervo da antiga Corporação Musical São Francisco, orgulho cultural da cidade.

GRUPO FANDANGO DE CHILENAS “IRMÃOS LARA”
Este grupo teve sua origem nas posadas dos tropeiros que por aqui passavam, levando as suas tropas e as mercadorias trazidas do sul do País, para serem comercializadas nas feiras de Sorocaba.
Os tropeiros tinham como costume, dançar um fandango nas suas paradas de descanso e também para ajudar passar a noite. Era divertimento mais comum nas suas pousadas, pois sempre traziam consigo uma viola para animar a função.
Hoje o grupo é dirigido pelo senhor Francisco Lara, e é formado basicamente pela família. Ele sente imenso prazer em dividir o palco com seus filhos, netos, e bisnetos. São quatro gerações levando a tradição dos valores culturais herdados dos seus antepassados, que também foram tropeiros e fandangueiros.
O grupo é formado por homens, adultos e crianças, sem limites de idade. Não tem mulheres que participam ativamente, o que não quer dizer que elas não saibam dançar, tem muitas que dançam e muito bem. O fandango está no sangue da família Lara. Entretanto, durante as apresentações, o grupo tem de 16 a 18 participantes, sendo de dois a três violeiros, um apresentador, além de 12 a 14 “dançadores” em pares.

Fonte:
- Texto extraído parcialmente da Obra: CAPELA DO ALTO – terra de histórias, memórias e esperanças.
Autor:  Valdemir Alvarez Gutierres.
Fotos históricas:
- Gentilmente cedidas pelo senhor Rogério Antônio Nunes (Joel) - Acervo Pessoal.
Realização:
- Departamento Municipal de Esportes
- Leandro Aparecido Leonor – Diretor do Departamento de Esportes.
Colaboração:
- Centro Cultural de Capela do Alto.
Apoio:
Prefeitura Municipal de Capela do Alto.
Gentílico: Capelense


GALERIA DE PREFEITOS
 

 HELENO LOPES PLENS 1965 A 1969
JOSÉ GUILHERME 1969 A 1973
COMENDADOR LUIZ QUEVEDO 1973 A 1977
ADAUTO JOSÉ CONFORTINI 1978 A 1983
COMENDADOR LUIZ QUEVEDO 1983 A 1988
NELSON DOS SANTOS 1989 A 1992
ADAUTO JOSÉ CONFORTINI 01/01/1993 A 31/12/1996
UBIRAJARA ROBERTO MORI 01/01/1997 A 31/12/2000
COMENDADOR LUIZ QUEVEDO 01/01/2001 A 31/12/2004
UBIRAJARA ROBERTO MORI 01/01/2005 A 31/12/2008
MARCELO SOARES DA SILVA 01/01/2009 A 31/12/2012
MARCELO SOARES DA SILVA 01/01/2013 A 31/12/2016
PÉRICLES GONÇALVES 01/01/2017 A 31/12/2020
PÉRICLES GONÇALVES 01/01/2021 A 31/12/2024
OBS.: O SENHOR HELENO LOPES PLENS FOI O PRIMEIRO PREFEITO DE CAPELA DO ALTO.




Acervo Digital

Com a ajuda de vários colaboradores reunimos um acervo de fotos antigas desta cidade. Caso você tenha fotos antigas desta cidade, contribua conosco, enviando-as para o e-mail: contato@memorialdosmunicipios.com.br

Clique nas imagens abaixo para aumentá-las:

Faço parte dessa história
Empresas que fazem parte da história desta cidade.
Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nosso site. Ao navegar pelo site, você autoriza o nosso site a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas , acesse nossa Política de Privacidade.
Entendi.