- Vargem




Memorial

O RAMAL DE JABOTICAL  CONHECIDO COMO ESTREITINHA DE RINCO
O RAMAL DE JABOTICAL CONHECIDO COMO ESTREITINHA DE RINCO
Vargem


Em 1884, correndo rumores de que a Companhia Paulista de Estradas de Ferro iria estender seus trilhos até “rincón”, onde proprietários de terras, inteirando-se do local exato por onde passariam os trilhos, fundaram em Paciência, uma vila construindo uma capela e dando ao lugar a denominação de Rincão. A vila, no entanto, pertencia à cidade de Araraquara, que para termos uma ideia da entrada do café na região, temos alguns dados interessantes: por volta de 1837 não havia nenhum pé de café e sua produção se baseava em açúcar, arroz, feijão, milho algodão entre outros. Quando do interesse de construir uma estrada de ferro que ligasse Rio Claro a Cuiabá, passando por Araraquara e São Carlos, no projeto feito pelos deputados Joaquim José de Abreu Sampaio e Dr. J.A. Leite Moraes à Assembleia Provincial em 1878, ou seja, 41 anos depois a produção de café já contava com 13.702.190 (treze milhões, setecentos e dois mil e cento e noventa) pés de café. A Companhia Rio Claro de Estradas de Ferro construiu a estrada de Rio Claro até São Carlos, passando por Araraquara, sendo inaugurada em 18 de janeiro de 1885. Foi noticia no Jornal Diário Popular de 19 de janeiro de 1885, comentando a inauguração com a presença do presidente da província Saldanha Marinho, do Visconde do Pinhal (presidente da Companhia) entre outros. E em 06 de novembro de 1886 o Jornal do Comércio noticia a visita do Imperador D. Pedro II em Araraquara, vindo de São Carlos até Araraquara, pela ferrovia recém construída.  (FRANÇA,1915). Em 01 de abril de 1892 esta ferrovia chega à Vila Rincão, saindo da estação de Araraquara e segue para Guariba em bitola métrica, isto é, trilho de um metro. Segundo, o senhor João Guerreira, 2006, o distrito de Rincão só se desenvolveu por causa da ferrovia, que além da escola, a Companhia Paulista construiu algumas casas nas proximidades da Estação Ferroviária para os seus funcionários que vieram formar residências neste distrito, dentre elas: a casa do médico. A casa do chefe da Estação, a construção de cerca de duzentas casas na Vila Paulista, construídas por volta de 1912 e o Clube Rincão Tênis Clube, que data de 1928. O trecho da linha que chega a então vila Rincão em 06 de junho de 1892, em bitola métrica, e chega a Guariba é o prolongamento da linha de Rio Claro, construída pela Companhia Rio Claro Railway, chegando em Jaboticabal em 1893 e em 1902 em Bebedouro. A Paulista amplia a bitola de métrica para larga de Rio Claro a Rincão entre 1916 e 1922, seguindo pela margem direita do Rio Mogi-Guaçu e não pela linha de Jaboticabal, que continua com bitola métrica e passa em 1928 a ser chamada de Ramal de Jaboticabal, a outra linha alcança Bebedouro em 1929, através da bitola larga. A partir daí começa a luta pela manutenção do Ramal de Jaboticabal que estava com seus dias contados. È justamente em 1928 que chega à Estação de Rincão a eletrificação da linha e onde passou a ser ponto de baldeação de mercadorias, cargas e pessoas que chegavam de São Paulo e outras cidades até a cidade de Jaboticabal. O Ramal de Jaboticabal passava pelas seguintes Estações: Rincão, Timbira, Motuca, Joá, Hammond, Guariba, Córrego Rico, Jaboticabal e Bebedouro.
A Companhia Paulista continuava a afirmar que a serra de Jaboticabal dificultava o traçado da linha. Em 1927, foi tomada a decisão final de se utilizar o trecho comprado da São Paulo – Goiás para ampliação da bitola, na região de Barrinha e Passagem. Em 1928 e 1930, o antigo tronco de bitola métrica, reduzido ao trecho entre Rincão e Bebedouro, do lado oeste do rio Mogi, passa a se chamar Ramal de Jaboticabal. A cidade passa a travar uma guerra com a Companhia Paulista, em que quem perde é a primeira. Bebedouro recebe a linha de bitola larga vinda de Pitangueiras com faixas: “Viva Bebedouro, Morra Jaboticabal”. De fato, esta última passa por um período de decadência devido a depender de um ram







Acervo Digital

Com a ajuda de vários colaboradores reunimos um acervo de fotos antigas desta cidade. Caso você tenha fotos antigas desta cidade, contribua conosco, enviando-as para o e-mail: contato@memorialdosmunicipios.com.br

Clique nas imagens abaixo para aumentá-las:

Faço parte dessa história
Empresas que fazem parte da história desta cidade.
Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nosso site. Ao navegar pelo site, você autoriza o nosso site a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas , acesse nossa Política de Privacidade.
Entendi.