PRESIDENTE ALVES

PRESIDENTE ALVES



PRESIDENTE ALVES



PRESIDENTE ALVES



PRESIDENTE ALVES



PRESIDENTE ALVES - santa ceclia




Memorial

PRESIDENTE ALVES
PRESIDENTE ALVES
santa ceclia

Prefeitura Municipal de Presidente Alves

Rua Vereador Luiz Michelan Filho, 73
CEP: 16670-000
Fones: (14) 3587-1333 | 3587-1271
Email: contato@presidentealves.sp.gov.br
Site: www.presidentealves.sp.gov.br

 

 

HISTÓRICO

 

A ORIGEM
PRÉ-HISTÓRIA DE PRESIDENTE ALVES

A Prefeitura Municipal de Presidente Alves, na gestão da Professora Sandra Sclauzer, uniu esforços para levantar a história de nosso município desde os primeiros desbravadores que chegaram a estas terras. Nesta série de reportagens produzidas por Danilo Berbel e Luís Castro, você vai conhecer os primeiros habitantes de Presidente Alves, os índios Kaingang, a emancipação político-administrativa, personalidades que contribuíram com o desenvolvimento da cidade e muitas outras curiosidades de nossos antepassados. Este primeiro capítulo conta a pré-história de nosso município: como a civilização chegou a estas paragens e o que aconteceu antes da história oficialmente contada pelos documentos. O ano é 1876. Chega à região do atual município de  Reginópolis, o senhor Adão Bonifácio Dias, conhecido como Adãozinho Bugreiro. Ele veio de Bom Jardim, região situada entre as atuais cidades de Lençóis Paulista e Agudos. Por aqui, Adãozinho desmatou grandes áreas para a instalação de fazendas nas terras marginais dos Rios Dourado, Aguapeí (Feio) e Congonhas. O termo “bugreiro” significa caçador de índios. Estas pessoas envenenavam os suprimentos de água dos nativos com estriquinina e vírus do sarampo, catapora, varíola e influenza. Em 1880, foi criada a Comissão Geográfica e Geológica do Estado de São Paulo. O objetivo era avaliar, nas regiões estaduais, o relevo, clima, hidrografia, recursos naturais e habitantes locais. Outra intenção era identificar terras desocupadas e próprias para o cultivo do café. Nesta época, chegou à região do Rio Aguapeí (Feio) o bugreiro Luiz Wolff, conhecido como “Luiz Alemão”. Ele veio de Banharão, região do atual município de Dois Córregos, e se tornou proprietário das terras de Adãozinho Bugreiro, nas redondezas da atual Presidente Alves. Em 1886, o coronel Joaquim Piza, vindo de Jahu (atual Jaú), buscava mais terras para o cultivo de café. Ergueu sua fazenda no divisor de águas dos rios Aguapeí (Feio) e Dourado, batizando-a de Fazenda da Faca. Mais tarde, esta propriedade viria a ser o centro operacional dos construtores da Ferrovia Noroeste. O Brasil passava por significativas mudanças em seu sistema político. Em 1888, foi promulgada a Lei Áurea, com a libertação dos escravos. Em 1890, o novo governo, sob o comando de Floriano Peixoto, organizou a construção de estradas férreas para ligar outros estados ao Rio de Janeiro, então capital Federal. O Banco União do Estado de São Paulo, através do Decreto Lei nº 862 de 16/10, ganhou a concessão para explorar os serviços da via férrea. Pouco tempo depois, o Banco apresentou estudos para a implantação de 100 km de linha férrea. A concessão foi revista e passada para a Companhia de Estradas de Ferro Noroeste do Brasil, que assumiu o objetivo de instalar as linhas em “terras desconhecidas”, desde São Paulo até o Rio Paraguai.

FUNDAÇÃO DO POVOADO
Estas “terras desconhecidas”, contudo, não estavam desabitadas. Por aqui, viviam os índios Kaingang (também conhecidos como Coroados), Oti Xavantes e Guaranis. Posseiros começaram a erguer casas de pau-a-pique e fundaram uma pequena vila nas terras, as margens do Rio Feio, por volta de 1898. Nascia assim o povoado de ALTO TABOCAL, a futura Presidente Alves. O avanço da construção da ferrovia significou o início de uma verdadeira guerra contra os índios e a Mata Atlântica.

OS ÍNDIOS KAINGANGS
Nesta série de reportagens, você poderá conhecer um pouco mais da história de nossa cidade e região. Antes da estrada de ferro chegar a estes rincões, comunidades indígenas habitavam territórios que hoje abrigam Presidente Alves, Bauru, Pirajuí, Avaí etc. Conhecer a cultura destes índios é conhecer o passado de nossa terra. Os jesuítas, nos primeiros contatos com povos indígenas, os classificaram em dois grandes grupos linguísticos: os Tupis, de “língua geral”, e os Tapuias, de “língua travada”. Posteriormente, os Tapuias ficaram identificados como Jês. Os Kaingangs, os mais numerosos povos indígenas do Brasil meridional, pertencem à família Jê. Ocupavam áreas que iam desde o oeste paulista até o norte do Rio Grande do Sul. Foram encontrados em grandes tribos, nos vales dos Rios Peixe e Feio (Aguapeí), que circundam a região de Presidente Alves. Nas florestas da região, abundava-se o pau d’alho, árvore que deu característica olfativa ao ambiente em que os Kaingangs viviam. Eles possuíam tradição nômade, em que as tribos se deslocavam por localidades nunca muito distantes das de origem. Eles preferiam habitar os campos. As batalhas contra os exploradores, entretanto, obrigaram eles a buscar refúgio nas matas fechadas, quase impenetráveis, na busca pela chance da sobrevivência. Conhecer as florestas e saber se esconder nelas era a única vantagem que os Kaingangs podiam utilizar para se protegerem da truculência dos bugreiros. O termo Kaingangs significa “Gente do Mato”. A organização social Kaingang é dividida em dois clãs: os kamé e os kairú, que são definidos segundo suas descendências. Durante o kiki, seu principal evento cerimonial, os clãs são identificados através de pinturas faciais. Os kamé utilizam motivos compridos e os kairú, redondos. O xamã Kaingang, chamado de kuiã, adquire poderes através dos companheiros ou guias animais. Para iniciar esta relação, o aspirante a kuiã deveria entrar na mata virgem, coletar folhas de palmeira e confeccionar recipientes para armazenamento de água, que atrairia o companheiro animal. Mais tarde, o futuro kuiã voltaria à mata e identificaria qual bicho havia bebido da água preparada em seu recipiente. Se ele fosse capaz de identificá-lo, beber a agua restante, e se banhar, então passaria a ter aquele animal como companheiro e guia. Os Kaingangs não eram de natureza violenta e respeitavam outras comunidades indígenas que, porventura, entrassem sobre seus domínios. Não permitiam, contudo, que outras pessoas se instalassem sobre suas terras, cultivando-a e dela tirando seu sustento. O aventureiro que o fizesse era notificado e, em caso de permanência no local, era atacado pelos guerreiros Kaingangs. Eles também eram conhecidos como “Coroados” porque costumavam fazer, no alto da cabeça, uma espécie de coroa, cortando os cabelos em círculo. O contingente estimado de Kaingang no oeste paulista no início do século XX era de quatro mil índios. Com o avanço da “civilização” para o interior do Estado, essa população foi dizimada e reduzida a 173. Os truculentos bugreiros utilizaram todo tipo de crueldade e violência para realizar o extermínio, a mando de grileiros. O território Kaingangs em São Paulo estendiase da região de Bauru até Adamantina, e do Rio Tietê ao Rio Paranapanema. Os conflitos começaram em 1905, com o início da construção da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil (NOB), que partia de Bauru, cruzando o noroeste do Estado e ligando-o com o Mato Grosso do Sul. O avanço para o interior do Estado foi impulsionado pelo mercado cafeeiro e pelas terras inexploradas. A resistência indígena contava apenas com armas rudimentares. Os bugreiros possuíam armas de fogo com potenciais de destruição muito maiores, como espingardas e facões, o que propiciou grande vantagem na ofensiva dos exploradores. Os ataques eram realizados durante as madrugadas, enquanto os índios dormiam. Não eram poupadas mulheres nem crianças. Os poucos Kaingangs que sobraram foram confinados, em 1921, em dois aldeamentos localizados nos municípios de Braúna e Tupã. Este último ganhou o nome de Índia Vanuíre.

O CICLO DO CAFÉ - DESENVOLVIMENTO
A partir de 1856, como consequência do declínio econômico do extrativismo de ouro de Minas Gerais, os produtores buscam outras fontes de subsistência. Em 1888, com a exaustão da terra do Rio de Janeiro, e a abolição da escravatura, o café fluminense vem para São Paulo, dando origem ao ciclo paulista desta cultura. Os paulistas encontram mão-de-obra nos recém-chegados imigrantes italianos e espanhóis. O próprio imigrante, ganha aos poucos, parte da terra que ele veio cultivar e se instala como proprietário. As grandes produções culminaram no desenvolvimento de ferrovias para o transporte. Acompanhando as transformações da economia brasileira, o café expandiu suas fronteiras para o Centro-Oeste de São Paulo. As plantações começaram a tomar o espaço antes ocupado por mata. A região vai, finalmente, povoando-se. Bauru era um pequeno arraial na serra de Agudos em 1893. Os posseiros entravam em sangrentas lutas com os índios Kaingangs, moradores nativos da região de Presidente Alves. Esses desbravadores começaram a erguer as primeiras casas de pau-a-pique e formar a Vila nas terras do Rio Feio por volta do ano de 1898. O desenvolvimento só chegaria mesmo a nossa região com o avanço das linhas férreas. Em 1904, chegam a Bauru os trilhos da Sorocabana. Um ano mais tarde, iniciam-se os trabalhos da Ferrovia Noroeste do Brasil (NOB), que tinha por finalidade ligar Bauru a Cuiabá, no Mato Grosso. O objetivo inicial foi alterado com o decorrer dos anos, mudando para Bauru Corumbá, no Mato Grosso do Sul. A estrada de ferro foi se expandindo em busca de locais já povoados, como aqui. Os confrontos com os índios Kaingangs tornavam-se mais violentos. Os nativos se defendiam com flechas e tacapes, enquanto os noroestinos,  usavam trabucos e carabinas. Como resultado, obteve-se um extermínio quase completo das comunidades indígenas. Da população de quatro mil índios no início do século vinte, restaram apenas 173. De trechos em trechos, conforme avançava a linha férrea da Noroeste, uma estação era erguida, onde nasceria uma cidade em breve. Em 1905 nascia Presidente Alves, que se desenvolvia rapidamente com as plantações de café. Em 27 de setembro de 1906 era inaugurada a estação da nossa cidade, feita em madeira e de condições precárias. Nesta época, o prédio ainda não era o que conhecemos hoje. Este mais novo foi inaugurado em 26 de outubro de 1916 e, atualmente, abriga o Projeto Criança, programa social de apoio a crianças e adolescentes da cidade. Novas ruas foram abertas paralelamente à ferrovia, como a Nove de Julho e a João Pessoa. Casas de pau-a-pique foram erguidas e o antigo povoado do ALTO TABOCAL, passou a se chamar Presidente Alves, em homenagem ao presidente da época, Francisco de Paula Rodrigues Alves. De acordo com o livro Zona Noroeste (1928), “as terras que compreende o município de Presidente Alves são de primeira qualidade e julgadas as melhores de toda a zona noroeste. Daí o grande incremento que de começo teve a sua lavoura” (sic). A cidade recebeu imigrantes espanhóis, portugueses, italianos e sírios, o que contribuiu para a mistura étnica do nosso povo.

CRIAÇÃO DO DISTRITO
O município atraiu, posteriormente, os descendentes de africanos e orientais. Presidente Alves foi elevado a distrito de paz pelo Decreto Lei Estadual nº 1428, de 03 de dezembro de 1914, e incorporado ao município de Avaí pela Lei nº 1672, de 02 de dezembro de 1919. Até então, a cidade era distrito de Bauru.

CRIAÇÃO E EMANCIPAÇÃO DO MUNICÍPIO
Em 02 de dezembro de 1927, através do Decreto Lei Estadual nº 2216, o Distrito é elevado à categoria de Município, com a denominação de Presidente Alves, desmembrado do município de Avaí. Sua instalação verificou se em 28 de março de 1928. Desde 30 de novembro de 1944, o distrito de paz de São Luiz do Guaricanga foi anexado ao território alvense, desvinculando-se do município de Avaí, através do Decreto Lei nº 14334.

REGISTROS DO HISTORIADOR – LINHA DO TEMPO
Segundo o livro Zona Noroeste (1928), os fundadores de Presidente Alves, que aqui chegaram em 1907, foram os senhores Luiz Wolf, Mário Pimentel (construtor da primeira casa de barro), Roque Xisto, Benedito Caçapava e Oscar Setúbal – primeiro chefe de estação da cidade. “Esses poucos homens que a estrada de ferro juntou, sem pretensão e sem alardes, foram os fundadores da cidade. (...) Presidente Alves, desde a fundação da sua estação, que lhe deu o nome, não parou, alargando cada vez mais o círculo de atividade inicial” (Zona Noroeste, 1928). O alemão Luiz Wolf plantou nestas terras 10 mil pés de café em 1907, dando início ao ciclo do café em nossa cidade. Em 1925, uma crise se abateu sobre a região noroeste. Presidente Alves, contudo, manteve-se sólida devido à força do comércio com a cidade de São Paulo, tornando-se uma das poucas praças que resistiram à crise. Entre os primeiros moradores da cidade, estão os senhores Joaquim Pereira de Carvalho, que hoje dá nome ao estádio municipal, o Coronel José Garcia, que doou o terreno para construção de uma escola – onde hoje abriga a Prefeitura Municipal, Mário Pimentel e Antônio Domene. São pessoas importantes para o município por terem dedicado valiosa contribuição para os primeiros passos da cidade de Presidente Alves. Em 1928, Presidente Alves contava com cerca de 10 mil habitantes, 374 residências, 150 estabelecimentos comerciais, 37 estabelecimentos industriais e 58 propriedades agrícolas e pastoris. Estavam registrados 253 automóveis na cidade. Dentre os profissionais atuantes, contava com cinco médicos, três dentistas e quatro farmacêuticos.
 
HISTÓRICO DE SÃO LUIZ DO GUARICANGA
O distrito de Guaricanga, foi desenvolvido por pioneiros que ali chegaram e que deram seu trabalho principalmente na agricultura, contribuindo assim  para o seu crescimento. Famílias como as do Carneiro, Pessoa, Bautz, Cunha, Siena, Navarro, Oliveira, Almeida, Góes, Pares, Dias, Paula, Lima e tantas outras tiveram participação marcante para a transformação do distrito. O pontapé inicial se deu com o violeiro Tomas Garcia Carneiro. Homem de algumas posses, que presenteou o seu sobrinho neto, José Inácio Carneiro com um pedaço de terra nesta região. O nome do distrito veio de uma homenagem do senhor José Inácio, a São Luiz Gonzaga, do qual era devoto, mais o nome das palmeiras que cercavam o local eram justamente as Guaricangas.

Gentílico: Alvense
 

GALERIA DE PREFEITOS

 

LUIZ DE CASTRO MOREIRA 28/03/1928 à 14/01/1929
ALARICO PIMENTEL 28/10/1930 à 09/11/1930
ALARICO PIMENTEL 09/11/1930 à 03/05/1931
ALCEBÍADES FERREIRA BUENO 04/05/1931 à 03/02/1933
ALCEBÍADES FERREIRA BUENO 16/02/1934 à 02/04/1935
CRESCÊNCIO DO AMARAL 19/07/1933 à 09/02/1938
ALCEBÍADES FERREIRA BUENO 16/02/1934 à 02/04/1935
ARTHUR CAMPANHÃ AFFONSO 10/02/1938 à 17/08/1938
JOÃO COIMBRA 01/09/1938 à 11/02/1940
JOSÉ HELENE 12/02/1940 à 19/10/1942
RAUL OLIVEIRA RODRIGUES 20/10/1942 à 14/11/1942
JOSÉ HELENE 15/11/1942 à 30/05/1945
RAUL OLIVEIRA RODRIGUES 31/05/1945 à 24/03/1947
DIONÍSIO ADOLFO DANIELETO 14/04/1947 à 31/12/1947
FÁBIO LIMA VERDE GUIMARÃES 01/01/1948 à 31/03/1949
ARSENIO EGAS DOS SANTOS 01/04/1949 à 31/08/1949
FÁBIO LIMA VERDE GUIMARÃES 01/09/1949 à 31/12/1951
ARSENIO EGAS DOS SANTOS 01/01/1952 à 31/12/1955
JOAQUIM MEIRELLES DA ROCHA 01/01/1956 à 31/12/1959
FABIO YUAN 01/01/1960 à 31/12/1963
SALVADOR PALUMBO 01/01/1964 à 31/01/1969
FABIO YUAN 01/02/1969 à 31/01/1973
ANTONIO ORTEGA JERÔNIMO 01/02/1973 à 31/01/1977
ORLANDO RODRIGUES GIMENES 01/02/1977 à 31/01/1983
GLÉRCIO BERBEL RIBEIRO 01/02/1983 à 31/12/1988
ORLANDO RODRIGUES GIMENES 01/01/1989 à 31/12/1992
GLÉRCIO BERBEL RIBEIRO 01/01/1993 à 31/12/1996
ORLANDO RODRIGUES GIMENES 01/01/1997 à 31/12/2000
ORLANDO RODRIGUES GIMENES 01/01/2001 à 31/12/2004
SANDRA REGINA S. DE ANDRADE 01/01/2005 à 31/12/2008
SANDRA REGINA S. DE ANDRADE 01/01/2009 à 31/12/2012
VALDEIR DOS REIS 01/01/2013 à 31/12/2016
VALDEIR DOS REIS 01/01/2017 à 31/12/2020

OBS.: O Sr. LUIZ DE CASTRO MOREIRA, foi o primeiro Prefeito de Presidente Alves.
Foram sub prefeitos:
SEBASTIÃO SIMÕES DE CARVALHO - 1920
JOSÉ CARLOS COIMBRA - 1924

 

 





Acervo Digital

Com a ajuda de vários colaboradores reunimos um acervo de fotos antigas desta cidade. Caso você tenha fotos antigas desta cidade, contribua conosco, enviando-as para o e-mail: contato@memorialdosmunicipios.com.br

Clique nas imagens abaixo para aumentá-las:

Faço parte dessa história
Empresas que fazem parte da história desta cidade.
Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nosso site. Ao navegar pelo site, você autoriza o nosso site a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas , acesse nossa Política de Privacidade.
Entendi.