RANCHARIA

RANCHARIA



RANCHARIA



RANCHARIA



RANCHARIA



RANCHARIA - Bosque Irapuã Campinas




Memorial

RANCHARIA
RANCHARIA
Bosque Irapuã Campinas

Prefeitura Municipal de Rancharia

Rua Marcílio Dias, 719 - Centro
CEP: 19600-000
Fone: (18) 3265-9200
Email: contato@ranchariaa.sp.gov.br
Site: wwww.rancharia.sp.gov.br

 

 

HISTÓRICO


A ORIGEM
A origem de Rancharia e de sua formação deu-se a partir de 1907, com a chegada dos sertanistas e situantes atraídos pelo aglomerado de ranchos dos tropeiros e boiadeiros e também pela beleza e fertilidade das terras da região, que estava prestes a receber os trilhos da ferrovia, que vinha avançando pelo sertão bravio.
Já em 1916, com a construção da Estrada de Ferro Sorocabana, que foi a desbravadora dos sertões compreendida entre os Rios Paranapanema e Rio do Peixe. Assim, foi construído um acampamento de ranchos para os trabalhadores que executavam as tarefas necessárias à construção de uma ferrovia, que cercados por matas bravia, tendo como única saída o rasgo da floresta por onde mais tarde chegariam os trilhos.

FUNDAÇÃO DO POVOADO
Em 1916, um grupo de trabalhadores chefiados por José Giorgi, estabelecia o seu acampamento, onde existia uma aldeia dos índios Caiapós, que iniciava o desbravamento dos sertões, com a chegada de outros trabalhadores, o povoado foi crescendo e, em 10 de setembro de 1916, foi inaugurada a Estação Ferroviária, o qual foi considerado o ano do início da formação de Rancharia.
O engenheiro Júlio Lucant foi quem fez a demarcação dos quarteirões da vila, bem como, da Praça, em gleba de terra de sua propriedade, o que lhe rendeu o título de fundador da cidade de Rancharia.

ORIGEM DO NOME
No repertório de criação das denominações dos municípios, há um sem-número de nomes ilustres, quando não de ricos e poderosos. Não é o caso de Rancharia.
O topônimo, no caso, surgiu do conjunto de ranchos, cabanas simples, construídos pelos trabalhadores da Estrada de Ferro Sorocabana, na região compreendida pelo então município de Quatá. Com o fim das obras, alguns operários permaneceram no local, justamente no conjunto de ranchos, ou seja, na RANCHARIA, o que acabou dando origem ao topônimo.
Porém existem duas versões para a origem do nome:
- Primeira Versão:
Que bem antes do surgimento da estrada de ferro, o local já era denominado de Rancharia. E o motivo era porque os tropeiros e boiadeiros acostumavam passar por ali com suas tropas e boiadas, vindas de Mato Grosso, eles então tinham o hábito de pernoitar nos ranchos construídos no meio da pastagens, dotada de abundante água.
- Segunda Versão:
É de que o nome Rancharia veio devido o prolongamento da Estrada de Ferro Sorocabana, onde foram construídos vários ranchos onde pernoitavam os feitores e trabalhadores da ferrovia, que apenas pernoitavam, pois durante o dia saíam para trabalhar.
Por volta de 1933, alguns moradores se rebelaram contra o nome Rancharia, por considerarem progressista; Com isso iniciaram um movimento com o objetivo de mudar o nome para TABAÚNA, mas a ideia não foi adiante, sendo então confirmado o nome Rancharia em definitivo.

ESTAÇÃO FERROVIÁRIA
A Estação Ferroviária de Rancharia foi inaugurada em 10 de setembro de 1916, antiga Estrada de Ferro Sorocabana, considerada um marco histórico no desenvolvimento de Rancharia.
O prédio inicial funcionou até 1945, quando as atividades passaram para o novo e atual prédio, sendo que em 1915 as turmas de trabalhadores da sorocabana, desenvolveram nas proximidades da futura Estação um aglomerado de ranchos, assim atribuem o nome da cidade de Rancharia a partir das obras de construção da ferrovia.
Com a desativação dos trens de passageiros na década de oitenta, e também devido à falta de cargas e de mercadorias pelas indústrias local, a Estação se tornou desativada com os trens, sendo que somente os trens de carga apenas continuam passando somente de passagem pela cidade.
Em 2003, o prédio passou por obras de restauração, através de parceria entre o município e a Fazenda Santana, a Estação foi totalmente reformada, conservando suas origens estruturais da fundação, e hoje é considerada Patrimônio Histórico do Município.

DISTRITO DE AJICÊ
Em 1924, Alegria era o nome de Ajicê, provavelmente decorrente da instalação de moradores na Água da Alegria.
Tudo começou quando um grupo de homens desmatou a área de um alqueire, doado pelo senhor Antônio Moreira, (adquirente das terra de José Teodoro de Souza), área nas margens do rio Alegria, e provavelmente os moradores sugeriram o nome Alegria, em virtude do nome do rio em si.  No local foram construídas algumas casas e um Cruzeiro onde foi realizada a primeira missa, no dia de São Sebastião. O marco de sua fundação era um futuro promissor para a região.
Muita peroba, terra fértil, lavoura de algodão, café, pecuária e a instalação de lojas comerciais.
Antes o distrito pertencia a Rancharia e, em 1945 passou a pertencer ao município de Iepê, sendo que, a partir de 1949 voltou a pertencer ao município de Rancharia. O nome Ajicê foi dado ao distrito através de um Decreto Lei Estadual.

DISTRITO DE GARDÊNIA
Por volta de 1930, foi fundado o vilarejo com o nome de CAPIVARI, tendo este nome devido as primeiras construções estarem localizadas à margem esquerda do Rio Capivari. Deram início ao vilarejo, a igreja e algumas casas de pequeno comércio, e que na época pertencia ao município de Conceição de Monte Alegre. O progresso era evidente devido à grande fertilidade das terras. Algumas famílias desbravadoras que fizeram o desenvolvimento do distrito foram: Família Alves, Lima Martins, Souza, Santos, Grillo, Rabelo, Apóia, Abel, Knust, Lourenço, Pereira, Polimeno, Rodrigues, Modesto, Bueno, Oliveira, Silva entre outros.
Tornou-se Distrito de Rancharia no ano de 1945, na gestão do prefeito Benedito Martins Barbosa. O distrito de Gardênia hoje, realiza grandes festas tradicionais religiosas.

CRIAÇÃO DO DISTRITO
Em 30 de julho de 1929, o Povoado foi elevado à categoria de Distrito Policial, pertencente e dependente de Conceição de Monte Alegre, no comércio e dos cartórios ali existentes.
Em 20 de maio de1934, através do Decreto Lei Estadual nº 6470, o povoado é elevado à categoria de Distrito, com a denominação de Rancharia, pertencente ao município de Quatá. Neste mesmo ato foi inaugurado as Agências dos Correios e Telégrafos.

CRIAÇÃO E EMANCIPAÇÃO DO MUNICÍPIO
Em 05 de julho de 1935, através do Decreto Lei Estadual nº 7357, o Distrito é elevado à categoria de Município, com a denominação de Rancharia, desmembrado do município de Paraguaçu. O município de Rancharia ficou constituído dos distritos de Paz, da sede e de Iepê.
Sua instalação verificou-se no dia 01 de janeiro de 1936.
Neste mesmo ato, foi nomeado o primeiro Prefeito Municipal de Rancharia, o senhor José Januário da Silva, sendo que em 12 de julho de 1936, foram eleitos os primeiros vereadores do município de Rancharia, que então compreendia os Distritos de Iepê, Laranja Doce, Bairro do Coroado, Bartira e Moema.
Em 30 de novembro de,1944, através do Decreto Lei Estadual nº 14334, desmembra do município de Rancharia, o Distrito de Iepê.
O município sede fica então constituído de três Distritos: Rancharia, Agissê e Gardênia.

A IGREJA MATRIZ
A primeira igreja, de madeira, foi construída em 1933, pelo Padre Fidelis Manetsch. O Padre Fidelis foi o primeiro vigário, ocupando o cargo por nove meses, e foi substituído pelo Padre Vicente Henning, que foi vigário durante 10 meses
A Igreja Matriz de Rancharia – Paróquia Santo Antônio de Pádua, Diocese de Assis, foi criada no dia 26 de agosto de 1935, desmembrada do município de Quatá. O Padre Paulo Kuhn ocuparia o cargo de vigário por 17 anos (de 20 de abril de 1937 à 20 de janeiro de 1954)
Em outubro de 1938 foi formada a comissão para dar início aos trabalhos de construção do prédio da nova Igreja Matriz.

A AGRICULTURA DESDE A SUA FUNDAÇÃO
Na fundação do município de Rancharia existiam plantações de café, inclusive com muita exportações. O transporte da produção agrícola das fazendas até as Estações Ferroviárias eram muitas vezes transportadas por carroças devido as más condições das estradas rurais na época, isto geravam grandes movimento de transportes pela ferrovia na época, o qual foram construídas em quase todas as estações grandes barracões para armazenamento das sacas de café que chegavam dos produtores para serem transportadas, em sua maioria para o Porto de Santos, para exportação.
Outra cultura muito plantada pelos agricultores em Rancharia e região foi a cultura do algodão, responsável pelas instalações de várias indústrias na cidade, como por exemplo: Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo, APSA, MAC, FARDE, SANBRA, entre outras, que na década de 1950, estavam em seu auge, inclusive Rancharia chegou a organizar um Congresso do algodão, em março de 1952, o qual levou o nome de Rancharia à condição de “Capital do Algodão”.
O município de Rancharia ficou conhecida em todo o País, e se destacou entre as mais importantes cidades do Estado de São Paulo.

A INDUSTRIALIZAÇÂO DO MUNICÍPIO
O Conde Francisco Matarazzo Junior, foi frequentemente apontado como um dos mais ricos no País, antes de tudo, porém, ele foi um dos grandes cidadãos do Brasil moderno. Herdeiro de um nome ilustre e de um patrimônio apreciável, o Conde Francisco Matarazzo Junior ainda tem elevado o nome de sua família.
Uma das primeiras indústrias que se instalou em Rancharia, foi as Indústrias Reunidas Francisco Matarazzo S/A, uma das mais notáveis organização
 Industrial no Brasil e no mundo, um fato que marcou a economia do município.
Gentílico: Ranchariense

GALERIA DE PREFEITOS

 

VALENTIM MÁXIMO DE SOUZA 1936 à 1938
JOSÉ JANUÁRIO DA SILVA 1936 à 1938
BENEDITO MARTINS BARBOSA 1938 à 1945
BENEDITO MARTINS BARBOSA 1945 à 1946
JOSÉ JANUÁRIO DA SILVA 1945 à 1946
HOMERO SEVERO LINS 1946 à 1947
AMURAH PRADO MARTINS 1947 à 1947
ALÍPIO AMARAL 1947 à 1948
ALÍPIO AMARAL 1949 à 1949
FRANCISCO FRANCO 1952 à 1955
LUIZ BACCO JUNIOR 1958 à 1960
ELPÍDIO MARCHIANI 1960 à 1964
MANOEL SEVERO LINS NETO 1964 à 1969
PAULO PAULOZZI 1969 à 1973
PEDRO CARLOS DE SOUZA 1970 à 1971
MANOEL SEVERO LINS NETO 1977 à 1983
CARLOS DE CARVALHO BAPTISTA 1983 à 1988
EDUARDO CONTINI FRANCO 1989 à 1992
YOSHIO MORIYA 01/01/1993 à 31/12/1996
CARLOS DE CARVALHO BAPTISTA 01/01/1997 à 31/12/2000
NIVALDO DEGANELLO 01/01/2001 à 31/12/2004
ALBERTO CESAR CENTEIO DE ARAÚJO 01/01/2005 à 31/12/2008
ALBERTO CESAR CENTEIO DE ARAÚJO 01/01/2009 à 31/12/2012
MARCOS SLOBODTICOV 01/01/2013 à 31/12/2016
ALBERTO CESAR CENTEIO DE ARAÚJO 01/01/2017 à 31/12/2020
MARCOS SLOBODTICOV 01/01/2021 à 31/12/2024

OBS: O senhor Valentim Máximo de Souza foi o primeiro Prefeito de Rancharia.




Acervo Digital

Com a ajuda de vários colaboradores reunimos um acervo de fotos antigas desta cidade. Caso você tenha fotos antigas desta cidade, contribua conosco, enviando-as para o e-mail: contato@memorialdosmunicipios.com.br

Clique nas imagens abaixo para aumentá-las:

Faço parte dessa história
Empresas que fazem parte da história desta cidade.
Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nosso site. Ao navegar pelo site, você autoriza o nosso site a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas , acesse nossa Política de Privacidade.
Entendi.