RUBINÉIA

RUBINÉIA



RUBINÉIA



RUBINÉIA



RUBINÉIA



RUBINÉIA




Memorial

RUBINÉIA
RUBINÉIA

Prefeitura Municipal de Rubinéia

Praça Osmar Novaes, 700
CEP: 15790-000
Fone: (17) 3661-1119
Email: gabinete@rubineia.sp.gov.br
Site: www.rubineia.sp.gov.br

 

HISTÓRICO

 

A ORIGEM
Rubinéia, cidade fronteira, surgiu do amor. Matrimonial e telúrico. O topônimo é a fusão eufônica e carinhosa de Rubens e Néia (Nair) marido e mulher que tanto se amaram, e que possuíam a terra onde hoje erguese a cidade. Ele, Rubens de Oliveira Camargo, pioneiro da região, homem destemido e desbravador, destacou-se, na curta vida que teve, pelo bandeirantismo moderno, de plantador de civilização. Rubens, que a morte cortou cedo num desastre de avião, em plena campanha eleitoral, quando candidato único a primeiro prefeito de Santa Fé do Sul, tinha a ânsia de transformar a terra em agente de progresso, de fazer brotar de cada árvore caída uma casa, um lar... Foi herói, sem o saber. Seu trabalho não se prendeu em garantir posses, sua atividade não se perdeu em fazer fazendas: seu amor telúrico foi tanto que, a terra ele se dedicou de corpo e alma na paixão incontida de somente amar. Rubens de Oliveira Camargo sabia que os trilhos da Estrada de Ferro Araraquara chegariam às barrancas do Rio Paraná, cortando suas terras, como a trilha centenária dos tropeiros do Porto Tabuado. Sabia que forçosamente no terminal da via férrea surgiria uma cidade. Não aguardou, contudo, a valorização, para entregar caro parte de suas terras - que ele tanto amava. Era desprovido do egoísmo, do amor possessivo. Planejou, então, o loteamento, vender era o que menos lhe interessava. Para quem quisesse vir à sua Rubinéia havia sempre um lote ainda não compromissado, não vendido, que era doado. Condição? Construir, mesmo que fosse à suas expensas. Bruno Nilsen e Júlio Montanari, vizinhos das terras de Rubens, abrem por volta de 1950, às primeiras propriedades agrícolas, e sabem eles também que a terra é dadivosa, que todos os sacrifícios são compensados pelas benesses de colheitas exuberantes. Pouco importa que cá ou lá haja o mistério da terra intangida. Para que o medo do conhecimento e do chão ferido pelo aço benfazejo, das ferramentas há de surgir o progresso, a fortuna?

FUNDAÇÃO DO POVOADO
Em 1951,aparecem na terra onde Rubinéia com amor foi plantada, os primeiros povoadores. Deles o destaque todo especial a Bento Félix da Silva, o pioneiro autêntico, cujo amor à terra se equipara a paixão do fundador. Félix muda-se para Rubinéia no primeiro momento, quando não havia ainda casa alguma. Seus pertences, por alguns dias que sob frondosa árvore, um velho ipê, tão resistente quanto sua fibra. A primeira casa que ele constrói, surge rapidamente. Montanari fabrica-lhe os tijolos a madeira dá-lhe a própria terra. É uma grande casa, com portas para salão comercial, para a venda, que logo a seguir se abre. É bem verdade que pouco antes já havia um boteco, com o sugestivo nome de Fecha Nunca, atendia aos poucos viajantes que demandavam ao Porto Tabuado é certo também, que Chiquinho, nos acampamentos dos tropeiros, já bebericava em torno de histórias de um tempo que nunca existiu é real, ainda, que os camaradas do Coronel João Lara, da velha Fazenda Santa Fé, para cá vinham em busca de cachaça e aventuras. Mas às aventuras, os acampamentos, o Fecha Nunca, foram sombreados pelo Boteco do Felix, com três garrafas na prateleira e uma conversa extraordinária atrás do balcão. Por volta de 1952, aporta na vila que então nascia, Manoel Cândido de Azevedo, que monta uma tosca serraria. Ele mesmo, auxiliado por outros poucos pioneiros, derruba, na atual Praça da Matriz, duas velhas aroeiras e, ali mesmo, a machado, lavra o lenho para erigir o Cruzeiro. Em 03 de outubro daquele ano, sob a invocação de Santa Terezinha, pedem ao céu a proteção à urbe que nascia. Lá está silenciosa, a orar, Dona Maria Campeira, senhora de tantas virtudes e variado conhecimento, que sabia como ninguém o benzimento para a cobra venenosa, a oração para quebranto, às mezinhas para a maleita, o emplasto para as dores sem nome. Lá estavam observando atentos, o Padre Walter a reproduzir o mistério da fé, José Gimenes, o hoteleiro, Nicola Balbi, Euclides, Moacir Ribeiro da Silva, Antônio Spinoza e mais uma vintena de pessoas.

CRIAÇÃO DO DISTRITO
O Distrito de Rubinéia foi criado através do Decreto Lei Qüinqüenal de 1953, através do trabalho de Rubens de Oliveira Camargo junto aos líderes de Santa Fé do Sul e ao representante da região na Assembleia Legislativa, o Deputado Salles Filho. Pouco antes, contudo, o então Governador Lucas Nogueira Garcez, dava por inaugurada a Estrada de Ferro. Os passageiros que demandavam a Mato Grosso, não raro, chegavam a Rubinéia e para percorrer os quatro quilômetros de estrada, entre a estação e o Porto, levavam um dia: a estrada que margeava o rio era um atoleiro só, que somente um carro de boi com cinco juntas conseguia transpor. A estrada de ferro foi indubitavelmente, um fator de progresso para a cidade, não só pelo considerável número de empregados que para cá trouxe, como também pelos melhoramentos que fez surgir. Em 1952, quando Rubinéia já possuía perto de 600 eleitores, surgiu liderada pelo então vereador Osmar Antônio Moraes, a campanha pela emancipação política, campanha essa que teve destacado o trabalho do presidente do partido político situacionista, Manoel Cândido de Oliveira. Foi necessário, para a emancipação de Rubinéia, um intenso trabalho junto à Assembleia Legislativa, posto que o governador do estado da época vetava à criação do município.

CRIAÇÃO E EMANCIPAÇÃO DO MUNICÍPIO
Finalmente, Rubinéia foi emancipada politicamente, através do Decreto Lei Estadual n° 8092, em 28 de fevereiro de 1964. Seus primeiros mandatários foram empossados a 20 de março de 1965, e foram constituídos: Prefeito, Osmar Antônio Novaes, Vice-prefeito, Lázaro Gonçalves da Silva e Vereadores: Carlos Sampaio, Selestrino Pereira da Silva, Sebastião André de Paula, Mancel Bispo de Aragão, Agenor Oliveira Dias, Manoel Dias, Jesus Honório, Geraldo Rodrigues da Silva e Elias Pereira Machado. O município está localizado no extremo noroeste do Estado de São Paulo,na mesorregião de São José do Rio Preto e microrregião de Jales.
Autor do Histórico: Benevaldo Júlio Cardoso
Gentílico: Rubineiense

GALERIA DE PREFEITOS
 

OSMAR ANTÔNIO NOVAES 20/03/1965 à 20/03/1969
RUBENS MESSAROS 21/03/1969 à 30/01/1973
OSMAR ANTÔNIO NOVAES 31/01/1973  à 31/01/1977
ADELINO ANTÔNIO ALVES 01/02/1977 à 31/01/1983
DORACY DIAS 01/02/1983 à 31/12/1988
ODAIR VISINTIN ROSSAFA GARCIA 01/01/1989 à 31/12/1992
ADELINO ANTÕNIO ALVES 01/01/1993 à 31/12/ 1996
JOSÉ GARCIA LUIZ 01/01/1997 à 31/12/2000
ODAIR VISINTIN ROSSAFA GARCIA 01/01/2001 à 31/12/2004
APARECIDO GOULART 01/01/2005 à 31/12/2008
APARECIDO GOULART 01/01/2009 à 31/12/2012
CLEVOCI CARDOSO DA SILVA 01/01/2013 à 31/12/2016
APARECIDO GOULART 01/01/2017 à 31/12/2020

OBS.: O Sr. OSMAR ANTÔNIO NOVAES, foi o primeiro Prefeito de Rubinéia.




Acervo Digital

Com a ajuda de vários colaboradores reunimos um acervo de fotos antigas desta cidade. Caso você tenha fotos antigas desta cidade, contribua conosco, enviando-as para o e-mail: contato@memorialdosmunicipios.com.br

Clique nas imagens abaixo para aumentá-las:

Faço parte dessa história
Empresas que fazem parte da história desta cidade.
Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nosso site. Ao navegar pelo site, você autoriza o nosso site a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas , acesse nossa Política de Privacidade.
Entendi.